IBM – Unindo arte e tecnologia

A IBM, gigante do setor de tecnologia de informação, tem um longo namoro com a área cultural. Já em 1980 a empresa tateava o setor e, em 1983, laçou o pioneiro projeto Encontro Marcado com a Arte, que fez o deleite de milhares de estudantes ao levar grandes personalidades da literatura brasileira a debates em universidades, gerando vídeos distribuídos por todo o Brasil. Em 1996 o programa passou à televisão, aumentando sua abrangência. Em paralelo, a empresa patrocinava projetos de outras áreas culturais, como teatro e dança (Ballet Bolshoi, Jazz de Montreal, All Star Gala, Montreal Street Dance Chicago) e, principalmente, música. Em 1997 a empresa montou um estúdio para transmitir Gilberto Gil cantando ao vivo pela Internet. Em 1999 implementou o projeto Novo Canto, no qual artistas renomados participavam de shows de lançamento de um novo talento da MPB, reforçando a associação da marca à inovação.

E foi na música popular brasileira que a IBM resolveu focalizar seus investimentos em cultura (descontinuando, inclusive, o Encontro Marcado com a Arte). “Só se consegue achar o foco com a experiência”, diz Mariângela de Luna, Gerente de Projetos Especiais de Marketing. Na visão da empresa, a músicamostrou ser a melhor ferramenta para atingir seus dois objetivos claros de marketing cultural: reforçar os atributos de simpatia, proximidade e inovação tecnológica da marca e, acima de tudo, criar relacionamento com o cliente. A empresa idealizou e implementou, em 2001, o projeto e-festival IBM, o primeiro festival interativo de MPB, em parceria com o portal Terra. A formatação do projeto foi feita para reforçar ao máximo a proximidade entre música e tecnologia. O envio das músicas por Internet chegou a 50% das 560 inscrições, já na primeira fase. Dessas, 20 foram selecionadas por uma comissão encabeçada por Zuza Homem de Mello e entraram em votação popular. As três canções mais votadas foram classificadas para a fase final e o vencedor abriu o show de João Bosco e Toquinho. O finalista da segunda fase, organizada nos mesmos moldes, abriu o show de Gilberto Gil. Já o vencedor da final abriu o show de Milton Nascimento. Com esse projeto, a IBM conseguiu cercar seus objetivos sob vários ângulos: gerou simpatia pela marca junto ao público de todo o Brasil, sempre associada à tecnologia; aproximou o nome IBM dos usuários finais de seus produtos, que se sentiram moticados a inscrever suas criações, votar e acompanhar o festival on-line; aprimorou o relacionamento com seus clientes, convidados especiais a participar de shows disputados; e contribuiu para a revelação de talentos musicais brasileiros, mostrando como a tecnologia pode funcionar a serviço da arte.

Mostrando que a linha divisória entre projetos culturais e sociais é muito tênue, a IBM também desenvolve projetos culturais tendo como idealizador seu departamento de projetos sociais, distinto e independente do departamento de marketing. Desse celeiro saíram ações como um espaço multimídia montado durante a exposição de Monet, em São Paulo, uma das mais visitadas exposições de todos os tempos no Brasil, e a posterior doação dos equipamentos, entre o Museu Nacional de Belas Artes do Rio e o MASP. Em 2001 os mesmos museus receberam uma outra instalação multimídia, que permitiu ao público fazer um passeio virtual pelo Museu Hermitage, de São Petersburgo e conhecer detalhes da Pietà, de Michelangelo.



ir para o topo